Agasalhos e cobertores podem ser deixados na caixa colocada no hall de entrada da sede do legislativo
Sosteliam Fernandes e César Bernasoli foram reconhecidos pelo trabalho em prol da infância e da adolescência

Notícias

Público - 05/06/2019 - 15:55:05 - por: Francisco Privado - 05/06/2019 - 15:51:33 - por: Francisco Privado - 05/06/2019 - 15:50:22 - por: Francisco

Implantação da UFJ é debatida em audiência no Senado

Presidente da Câmara e prefeito de Jataí participaram da discussão. Diretor da UFJ falou em nome das novas universidades WhatsApp
Kátia Carvalho, Vinícius Luz e Edward Madureira Brasil, reitor da UFG
Foto: Comunicação/prefeitura
Kátia Carvalho, Vinícius Luz e Edward Madureira Brasil, reitor da UFG

No dia 4 de junho de 2019, a Comissão de Educação do Senado Federal realizou audiência pública com o objetivo de discutir a implantação das chamadas “supernovas” universidades federais, criadas em 2018. O evento foi solicitado por meio de requerimento do senador Wellington Fagundes, de Mato Grosso.

Nos meses de abril e março de 2018 foram sancionadas as leis de criação das universidades federais de Jataí, Catalão, Rondonópolis, Delta do Parnaíba e Agreste de Pernambuco. Após mais de um ano de publicação das leis, todas as instituições permanecem sem administração superior e por isso têm suas efetivas implantações prejudicadas.

Estiveram presentes na audiência o diretor da Regional Jataí da UFG, professor Alessandro Martins, e membros de sua equipe de trabalho, o prefeito de Jataí, Vinícius Luz, e a presidente da Câmara Municipal, vereadora Kátia Carvalho. Parlamentares goianos, como o senador Vanderlan Cardoso e o deputado federal José Nelto participaram da atividade. O reitor da UFG, Edward Madureira Brasil, e os dirigentes das demais universidades recém-criadas contribuíram para o debate, assim como representantes dos ministérios da Educação e da Economia.

O diretor da Regional Jataí da UFG (futura Universidade Federal de Jataí), Alessandro Martins, pronunciou-se representando as cinco novas universidades e destacou a importância da regionalização do ensino superior público no Brasil em prol da redução das desigualdades sociais e da adequação aos interesses locais.

Martins destacou  o papel dessas novas instituições como modelos para o país com a possibilidade da constituição de universidades que prezem pela eficiência de gestão, pelo desenvolvimento regional democrático, adequado às demandas locais, que fortaleçam e potencializem as economias regionais, que se constituam aliadas aos mais atuais modelos de estrutura acadêmica e administrativa e que apresentem convergência multidisciplinar.

Para o diretor, “o impacto das universidades nessas regiões é maior até mesmo do que nos grandes centros urbanos uma vez que atingem as comunidades de maneira mais próxima”. Alessandro Martins também apontou benefícios que vão desde a formação e inserção do profissional qualificado na sociedade, a geração de empregos diretos e indiretos, a demandas agregadas à habitação, transporte, alimentação, às economias regionais potencializando o uso de recursos locais, ao fortalecimento da infraestrutura local, além de envolver uma melhoria no ambiente cultural, com a inserção de novas ideias e atividades.

Destacou-se ainda na fala do diretor o baixo impacto orçamentário da implantação das “supernovas”. O custo dessas universidades corresponde a cerca de 0,06 dentro do orçamento do Ministério da Educação, o que é um valor irrisório mediante os benefícios gerados com esse investimento, afirmou Martins.

As universidades a ser implantadas estão legalmente criadas, tem estrutura funcional, e orçamento próprio, aprovado na lei orçamentária de 2019, o que permite a constituição de nova gestão administrativa para seu funcionamento. “O que falta então é a nomeação das reitorias, que é algo para dar encaminhamento ao processo de transição e implantação”, lembra o diretor. O que foi corroborado pelo reitor da UFG, Edward Brasil, que afirmou não haver obstáculo concreto para a efetivação da implantação e sim falta de vontade política para que isso realmente aconteça.

O prefeito de Jataí, Vinícius Luz, e a presidente da Câmara Municipal, Kátia Carvalho, presentes na audiência pública, mostraram-se comprometidos em contribuir cada vez mais para a efetivação célere da autonomia da Universidade Federal de Jataí.

As atividades do grupo da UFJ seguiram no período vespertino com reuniões com o senador Vanderlan Cardoso, com a presidência do Senado Federal e com a presidente da Frente Parlamentar Mista pela Valorização das Universidades Federais, deputada Margarida Salomão.


Vídeo da audiência pública